Da Alemanha, os alemães

Share

Deixamos a Polônia de ônibus em direção a Hamburgo, no norte da Alemanha. Era a minha segunda ida ao país, a primeira do Ti, mas uma mesma passagem marcou nós dois profundamente nesse lugar: “Se você fizer o bem pra uma pessoa, esse bem volta pra você”.

Essa frase parecia um chavão na boca das pessoas de lá, pois ouvimos de muita gente com quem tivemos contato, mas definitivamente percebemos que não era só da boca pra fora. Tivemos tantas provas de que os alemães realmente acreditam e praticam essa filosofia, que pra nós ficou difícil contrariar…

A começar pela nossas carteiras. Perdemos duas vezes em Berlim, as duas vezes no mesmo lugar, e as duas vezes elas foram devolvidas.

Depois veio o celular. Pegamos carona por meio de um site coletivo, com um alemão que tinha ido ajudar o filho na mudança depois que este tomou um pé na bunda da namorada. No fim da viagem, esqueci meu celular no carro dele. E mesmo em meio a toda a confusão familiar do seu fim de semana, ele fez questão de me devolver.

Não bastasse isso, teve um episódio em Dusseldorf que fez a gente quase chorar. Ficaríamos lá no apartamento de um amigo que o Ti conheceu durante umas férias em Ubatuba, há cinco anos. Amigo de cervejada, com quem ele mantinha contato pelo Facebook…Chegando na casa dele, um flat pequeno no centro da cidade, ele nos entregou a chave e foi dormir no escritório do trabalho para nos dar mais privacidade.

Esse mesmo amigo ainda se emocionou ao contar como foi assistir o jogo do Brasil e Alemanha na Copa do Mundo. Muito ao contrário de tirar um sapo da nossa cara sobre o 7×1, ele ficou tão constrangido e tão sentindo que chorou.

Julia conhecendo o Hans

Julia conhecendo o Hans

E teve também um caso com os nossos amigos de Hamburgo. No meio dos preparativos pra festa de aniversario do filho caçula, a mãe parou tudo o que estava fazendo pra ajudar o Ti a fazer os curativos do pé machucado….

Eno (meio) e Katarina (direita), nossos amigos de Hamburgo

Eno (meio) e Katarina (direita), nossos amigos de Hamburgo

Quando contamos essas histórias aos alemães que conhecemos durante a viagem,  muitos ficam espantados porque as coisas não são assim no ponto de vista deles . E talvez até tenhamos dado sorte ao cruzar com gente bacana no país. Mas foram tantas pessoas, tantos sinais, que pra nós eles ficaram sendo um povo especial.

Foi por isso que ao invés de falar da Alemanha, dessa vez resolvemos falar sobre as pessoas que vivem nesse país. A gente sabe que não é geral, lemos, vemos coisas na TV que as nos vezes mostram o contrário, mas nós realmente fomos felizes durante nosso tempo lá. E realmente acreditamos que se empenhar em fazer o bem deriva coisas boas na vida da gente.

O Ti, descobrindo Hamburgo

O Ti, descobrindo Hamburgo

* Estamos preparando um Wrap up da Alemanha para contar mais sobre os lugares e experiências que mais curtimos.

 

 



About

28 anos, Relações Públicas e "mãe" da Mafalda. Cresceu no interior de SP, viveu 10 anos na capital. Aprendeu a dirigir, trabalhar e se virar. Mas continuou sem gostar de comer tomate com pele, ter as unhas compridas e de ficar sozinha.


Comments

'Da Alemanha, os alemães' have no comments

Be the first to comment this post!

Would you like to share your thoughts?

Your email address will not be published.

Images are for demo purposes only and are properties of their respective owners. Old Paper by ThunderThemes.net